Friday, 22 April 2011

Vegetarianismo

Quero partilhar este texto pois identifico-me muito com ele.
Apesar de ser vegetariana há, apenas, dois anos continuo a fascinar-me diariamente com os produtos, os cheiros, os sabores… que esta comida desperta em mim.

"Ter um vegetariano à mesa é, ainda hoje, uma garantia absoluta de uma refeição divertida. Isto não se deve ao facto de os vegetarianos serem pessoas mais espirituosas, cultas ou interessantes (o que ainda esta por provar), mas antes à jocosidade que o regime vegetariano provoca nos restantes comensais. “Então, vai uma alface grelhada?”, “há muita relva no jardim, se quiseres pastar!” e “e um bifinho com batatas fritas sem bife, já comes?” são apenas alguns dos muitos comentários que se costuma  fazer quando alguém anuncia, ao sentar-se à mesa, que é vegetariano. Para além destes comentários, é frequente haver alguma representação – carregar com o garfo no bife, mugir e dizer “olha, ‘tá viva” ou apontar para uma cabeça de peixe e afirmar “ele está a olhar para ti...” são alguns dos exemplos clássicos. A estes períodos humorísticos segue-se muitas vezes um verdadeiro interrogatório: “Há quanto tempo és vegetariano? E gostas? Mas não comes carne nem peixe? Nem marisco? Então o que comes? E não passas mal? E porque é que não comes carne?” o resultado é que, quando todos os outros comensais estão já a tomar cafés, o vegetariano está ainda a acabar a sua refeição. Mas visto que ainda persiste a ideia de que o vegetariano só come salada, pelo menos não tem de se preocupar com a sua comida arrefecer.
Esta descrição pode parecer um pouco exacerbada, talvez até caricatural; mas sem dúvida que muitos vegetarianos portugueses reconhecerão que, até há pouco tempo, era esta a situação que se vivia no nosso país, onde a qualidade de uma refeição é directamente proporcional à quantidade de carne que contém. De há algum tempo para cá, contudo, esta perspectiva “carnicêntrica” tem vindo progressivamente a alterar-se. Um interesse crescente por questões se saúde, aliado a surtos de doenças relacionadas com a criação de animais em cativeiro, tem levado cada vez mais pessoas a pelo menos experimentar aquilo  a que anteriormente chamavam “comida de grilo” ou “pasto”.
E muitas se surpreenderam com o inesperado facto de este pasto ser muitas vezes saboroso.
Sim, a gastronomia vegetariana pode ser tão variada, saborosa, saudável e divertida quanto qualquer outra. Como qualquer cozinha, depende sobretudo da criatividade e do talento do cozinheiro. “Os legumes são interessantes, mas parecem nao fazer sentido se não estiverem acompanhados de um bom naco de carne”, disse certa vez a escritora americana Fran Leibowitz. Não são poucas as pessoas que concordariam com ela. Contudo, é precisamente essa uma das grandes vantagens da cozinha vegetariana: num mundo em que os vegetais são quase sempre reduzidos a meros figurantes no grande filme que é a refeição, ser vegetariano permite descobrir todo o maravilhoso potencial das curgetes, das alcachofras, das cenouras, das ervilhas, dos pimentos, dos feijões, dos cogumelos, dos pepinos, dos aipos, das beringelas, dos espargos, do milho, das abóboras, do alho-francês, dos espinafres, dessa velha amiga de todas as crianças, os brócolos! Dispensando a carne e o peixe, a cozinha vegetariana encoraja, por definição, até o mais amador dos cozinheiros a ser engenhoso e criativo.
Mas saber mais nomes e sabores de vegetais do que qualquer um dos seus amigos, o que lhe confere uma aura inegável de sofisticação, é apenas uma das muitas vantagens do regime vegetariano. Como acontece com todas as grandes opções de vida, as razões multiplicam-se pelo número de pessoas que as tomam.
Muitas pessoas associam o vegetarianismo à saúde e partem do princípio de que, tendo renunciado à carne, os vegetarianos renunciam também a todos os prazeres da carne. Isso nem sempre é verdade, mas restam poucas dúvidas de que o regime vegetariano seja dos mais saudáveis que existe. É baixo em gorduras, colesterol e hidratos de carbono, e rico em vitaminas e nutrientes essenciais – se for bem concebido e equilibrado, claro. Uma regra fundamental para todos aqueles que estão a pensar em adoptar o vegetarianismo é consultar um médico ou um nutricionista, que os deverá acompanhar pelo menos durante os primeiros meses desta nova dieta. É também aconselhável que se faça um check-up completo com regularidade. Contudo, o mais provável é que se sinta mais leve, mais saudável e mais equilibrado se tiver uma dieta o mais próxima possível da vegetariana.
Uma outra razão é expressa na frase memorável do dramaturgo irlandês George Bernard Shaw: “Os animais são meus amigos e eu não como os meus amigos”. Trata-se então de uma questão de ideologia. Visto que o homem, enquanto ser omnívoro, não precisa de comer a carne de animais para sobreviver, podendo substituí-la por outros alimentos, não há qualquer necessidade de tirar a vida a animais inocentes. Segundo esta perspectiva, o abate de animais para consumo é uma forma de crueldade que não tem qualquer justificação. Se tivermos em conta as condições desumanas em que os animais são criados, nos nossos dias, se pensarmos como sofrem, por exemplo, nos aviários, não hesitaremos em concordar que um hambúrguer parece bem menos apetitoso do que uma “alface grelhada”. Ou, como explicaram Paul e Linda McCartney, “se os matadouros tivessem paredes de vidro, toda a gente era vegetariana”.
Para outras pessoas, ainda, o vegetarianismo faz parte de um percurso religioso ou espiritual. Em quase todas as tradições religiosas existem interdições alimentares, e renunciar à carne e ao peixe é um sinal de desprendimento do mundo material e da evolução espiritual."

Alicia Bouvier, Cozinha Vegetariana

2 comments:

  1. My love, acho que vou roubar isto. Ainda este fim-de-semana tive uma refeição assim agradável, mas foi mais por causa dos suplementos... “Então que sentido faz seres vegetariana se agora tens de tomar suplementos?!” Enfim...
    Mas adorei o texto! *

    ReplyDelete
  2. Os vegans são "obrigados" a tomar suplementos por causa da Vitamina B12 pois esta mais presente em leite, queijo e ovos.

    ReplyDelete

Thanks for the comment.
keepitsimpleblog@gmail.com